terça-feira, abril 25, 2006

Não podia deixar de assinalar...

Vejo cravos murchos em muitos olhos da minha geração. Vejo mãos caídas em jovens da minha era. Vejo punhos abertos em netos de Abril. Vejo vultos por desabrochar. Vejo muitas mentalidades por abrir.
Estou triste. Aos 15 anos sinto a força dos “meus avós”, que sobrepuseram valores de liberdade e esperança à noite escura e densa, esmorecer. Pertenço à terceira geração a contar de 1975 e vejo ainda um longo Abril por cumprir. Um Abril que caberá aos jovens que como eu, ainda acreditam. Descolonizar, democratizar, desenvolver. Não nos podemos deixar iludir por cantigas que falam de amor, por livros que podemos ler e comentar, por urnas, por frases que podemos gritar: seria simplesmente esta a revolução de Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Salgueiro Maia, Otelo Saraiva de Carvalho, Vasco Gonçalves, Melo Antunes, Mário Soares, Álvaro Cunhal, Sá Carneiro e tantos outros nomes com e sem rosto que impulsionaram a Revolução? Estou convencida que não. Estou convencida que Homens como estes não se aquietariam aos primeiros sinais de sucesso. Há muito ainda por democratizar e desenvolver não só no nosso país como por esse mundo fora. E até por descolonizar. O século XXI chegou e mais de metade do mundo ainda não teve direito a ele.
Assusta-me a elevada taxa de abstenção. Assusta-me o desacredito político. Estarão as pessoas a dar Abril como facto consumado, como feriado histórico, como capítulo encerrado?

Apesar de tudo, acredito na minha geração. Acredito que faremos a diferença ao mostrar que medos como os meus não têm fundamento. Acredito que faremos obra. Acredito em nós. E sinto uma força que me move, que me indica o caminho a seguir e que não me deixa esquecer os jovens da minha idade (e não só) que infelizmente não usufruem deste cantinho dourado que apesar de todos os defeitos a Europa é. Um Abril imenso foi realizado. Temos um país de liberdade! E é nosso dever, melhorá-lo ainda mais.
Acredito que mudaremos o Mundo, que o tornaremos melhor em todos os sentidos. Estou aqui para lutar por isso com um sorriso nos lábios e cravos nas mãos. Será esta a força de Abril?

quinta-feira, março 02, 2006

Pipa

Porque és a minha Pipazona, porque é a ti que confio os meus maiores medos, receios, dúvidas, impressões, sentimentos. Porque és mais (oh! muito mais) que colega de escola, amiga, melhor amiga, prima ou irmã; porque és a minha “amiga de sangue”. Porque é contigo que rio deitada no tapete da sala, que rebolo, que acabo por comer bocados de sofá e de sei lá mais o quê. Porque é contigo que oiço D’ZRT e me lavo a mim e à loiça; porque é contigo que mudo de faixa do passeio e dou os iogurtes e o pão ao homem da mercearia para pesar. Porque é contigo que ando de gaivota e me molho toda com a água repuxo (e só depois é que nos apercebemos que é a mesma água nojenta que está no lago!). Porque é a ti que vejo estar a mandar mensagens até ás duas da manhã enquanto tento dormir. Porque és tu que espetas o rabo no meio da cama e não me deixas dormir (lol). Porque é a ti que roubo os cobertores. Porque é contigo que me levanto a altas horas da noite para me enrolar no lençol de baixo enquanto tu te enrolas no de cima. Porque é contigo que aprendo a segurar o corpo ao tropeçar. É contigo que aprendo a rir de mim mesma, da minha vida, ao invés de chorar. Porque que assistes e vives os mesmos dramas que eu. Porque é contigo que a minha vida ganha sentido, que conquisto as maiores vitórias relativas ao meu ser, à minha personalidade. Porque é contigo que vejo as coisas simples e normais de um adolescente serem transformadas em batalhas e derrotas. E é contigo que sorrio quando ganhamos. Porque és tu que me dás os conselhos acertados e plausíveis que a minha personalidade teimosa e inconsciente nunca se lembraria de seguir. Porque é contigo que aprendo música e moda. Porque é ti que tento em vão convencer do interesse da política e da diplomacia. Porque é contigo que discuto temas como religião e aborto. Porque é contigo que aceito com gentileza o crachá e oiço piadas sobre bodes. Porque é contigo que arrasto móveis para ver um filme ou dançar no meio da sala. Porque é contigo que sei que no mundo não interessa o quanto os outros nos acham simplesmente porque nós sabemos o que valemos. Porque é contigo que passo horas de viagem a conversar. Porque é contigo que troco pulseiras de plástico com rapazes que não falam a mesma língua que nós (a não ser que o “Braga, Porto, Guimarães” conte!). Porque és tu que te apaixonas por um deles. Porque é contigo que rio, choro, danço, brinco, sorrio… Porque é a ti que mando mensagens quando estás mesmo ao lado e depois de dias juntas. Porque és tu que estás sempre lá e previsivelmente não me canso de ti. Porque tu és tu. Simplesmente tu. E porque escreveria páginas sobre o que passámos juntas e nunca ninguém há-de perceber metade disto. Mas tu percebes.

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

Para uma grande amiga...

Por vezes arranjamos conflitos, magoamos os nossos amigos e fazemos coisas k nos arrependemos mais k tudo por pura e simples distracção. Queremos reprimir-nos e dizem k n há volta a trás, eskecem tudo o k lhe fizemos e dissemos com o maior carinho e amor k poderíamos dar, e td por uma simples distracção. Será que esse simples acto merece uma perda tão grande, a perda de uma amiga? Com certeza não. Por isso te digo Sara...Desculpa e a promessa k nunca voltarei a repetir o sucedido é tudo kuanto te posso ofertar...Peço que consideres pk se fosses uma kualker eu nca estarei aki a escrever estas palavras k tanto me custaram a aceitar por n transporem a ti todo o meu pesar. O pesar de ter magoado, o pesar de te ter posto triste, o pesar de fazer com k o teu dia fosse péssimo, o pesar d n te ter animado. Tlz o que tu precises de ouvir pa perceber td o sentido das palavras k te escrevo é: Eu adoro-te desde o 1º dia k te vi, os ciúmes de ver com outros, as "lágrimas" derramadas nestes momentos em k te vejo triste, e mto mais neste momento em k fui k te magoei...Por isso afirmo Sara farei da minha vida uma obra, uma obra apenas pa te animar, pa te fazer feliz, e para te amar...este será o objectivo da minha vida...esta será a razão do meu viver...será a razão de eu andar...e o k me dará vontade de correr. Axo k era isto k precisava de te dizer, era isto k andava aki preso no meu coração todo este tempo. Era apenas e tão singelamente o k eu sentia por ti. Agora vês k nca te kiz magoar, mas fi-lo e agr só espero k me possas perdoar. Pk eu te adoro, e isto n e a brincar...ADT SARA

sexta-feira, janeiro 20, 2006

um dia para (não) esquecer

Há momentos em que desesperamos por não sabermos o que nos espera. Gritamos e revoltamo-nos por medo, por não aceitarmos ver parte da nossa vida a ir para um lado, a tomar um rumo completamente diferente daquele que queríamos que tomasse. Mas os sonhos falam mais alto que a razão e acabamos por enveredar pelo mais difícil, pelo que aparenta ser escuro e complicado. Ir contra o mundo é difícil. Escolher a nossa vida aos 14 anos, num tempo de incertezas e áreas fantasma, ainda mais.
Mas hoje descobri que a vida nos reserva belas surpresas. Que podemos ir contra tudo e todos e ter o apoio de pessoas que amam o mesmo que nós e que acabam por nos amar nesta luta constante. Aprendi que disputar os nossos sonhos dá resultado e que no fim podemos ter uma vitória que apesar de diferente da que imaginámos tem um sabor muito bom. Porque não é só nossa. E um “primeiro lugar” de apenas uma pessoa, um pódio praticamente vazio tem um sabor relativo…Relativíssimo!
Hoje conquistamos todos o pódio. Estamos os 17 lá em cima, de cabeça erguida, a mostrar aos tolos que estatísticas não são sentimentos nem pessoas e que os números não nos trouxeram a felicidade. Senti imenso orgulho em nós, hoje. E percebi que vocês me conquistaram num período mais do que eu podia prever.

Os problemas, por muito graves que sejam, têm sempre um remédio bem melhor dos que os anti-depressivos que andas a tomar. E essa solução nunca é uma saída… Meninas, estamos sempre aqui. Sempre e para tudo. São a turma mais complicada mas mais humana que já tive. 10ºE SEMPRE
Cresci imenso com vocês. Obrigado por tudo

sexta-feira, dezembro 30, 2005

Mulher engole telemóvel para encerrar briga

Uma mulher nos Estados Unidos engoliu o seu telemóvel para encerrar uma discussão que estava a ter com o namorado.

A polícia da cidade de Blue Springs, no Estado do Missouri, foi chamada por um homem que dizia que a sua namorada estava com problemas para respirar. Eles encontraram então um telefone entalado na garganta dela.

"Ele queria o telefone e ela não lho daria", disse o sargento Steve Decker, da polícia de Blue Springs.

A mulher de 24 anos foi levada imediatamente para o hospital. Espera-se que ela recupere totalmente do incidente.

"Não sei qual o modelo do aparelho", disse o sargento Decker.Ele também não soube informar se o aparelho estava ligado no modo vibratório ou normal.

quinta-feira, dezembro 29, 2005

O último pingo é sempre da cueca


Um dos tormentos que acompanha o homem desde o princípio da sua vida é precisamente o pingo! Se não é da cueca, é do boxer ou mesmo da perna... e lá vem ele por aí abaixo! Aqui estão algumas dicas para acabar com o maldito pingo!

terça-feira, dezembro 27, 2005

2006 chega um segundo mais tarde

Este ano a contagem decrescente para a meia-noite vai ser atrasada.

Tudo porque tem que ser acrescentado um segundo correctivo ao ano de 2005 para acertar os relógios atómicos de precisão colocando-os em absoluta coordenação com o movimento de rotação da Terra em torno do Sol.

Estes segundos de correcção são adicionados de tempos a tempos como forma de garantir a precisão da medição do tempo que é assegurada pelos vários relógios que compõem o sistema Coordinated Universal Time – a medida de contagem oficial do tempo para todo o planeta.

A primeira vez que se procedeu à adição de um segundo correctivo foi no ano de 1972. Desde então foram já adicionados 22 segundos, pelo que 2005 será o 23º ano a contar com mais um segundo de duração.O último acerto tinha sido feito em 1998.


Free Web Site Counter